Blog do Deco Bancillon

Racismo estrutural no Brasil é rastilho de pólvora para um dos últimos países a proibir escravidão

Onda de protestos nos EUA levanta questões sobre racismo estrutural na maior economia do mundo. Enquanto isso, no Brasil, um dos últimos países a abolir a escravidão, manifestantes cobram reação do governo para combater coronavírus. Tensões em ambos os países podem impactar eleições e definir uma nova ordem política mundial.

Nos EUA, a morte de George Floyd fez eclodir protestos em centenas de cidades. O assassinato de mais um homem negro, desarmado e que não resistiu à prisão, chocou o mundo pela crueldade das imagens. O policial branco que efetuou a prisão ajoelhou-se no pescoço de Floyd por oito minutos e quarenta e seis segundos. E de nada adiantou as pessoas nas ruas que pediram para que o policial parasse. “Ele não consegue respirar”, diziam, sem que o policial nada fizesse. Tão logo foi constatada a morte de Floyd, imediatamente, protestos antirracistas cruzaram os EUA de norte a sul e acabaram indo parar no quintal do presidente Donald Trump, que, acuado, avisou que “quando os saques começam, os tiros começam”. A ameaça foi em vão. Desde segunda-feira (25/05), uma onda de protestos ganha força em todo o país. Os manifestantes, em sua maioria negros, ganharam a adesão de jovens latinos e outros imigrantes. Eles são justamente o público mais afetado pelas mortes da Covid-19 nos EUA, país que já registrou mais de 100 mil mortes desde o início da pandemia. No Brasil, que já é o país com mais mortes diárias pelo coronavírus, os protestos do EUA são vistos como um elemento a mais de preocupação para as tensões políticas que já estavam em ponto de ebulição. Um dos últimos países a abolir a escravidão, o Brasil é um país racista e que, não por acaso, assim como nos EUA, vê a sua população negra ser dizimada pelo coronavírus. Enquanto as mortes no Brasil já passam de 30 mil, o governo Bolsonaro coleciona polêmicas e atritos com os demais poderes da República. Assim, é difícil prever quando essa tempestade perfeita irá passar. Ainda mais se os raios que já fazem a terra tremer nos EUA serão igualmente vistos no Brasil. Confira no Canal #EagoraBrasil

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.