Blog do Deco Bancillon

Caiu na malha fina? Prazo para autorregularização vai até domingo

Receita Federal já começou a notificar os 334.388 mil contribuintes que tiveram a declaração do Imposto de Renda retida para análise. Após esse prazo não será mais possível corrigir por conta própria informações

JUNIOR MEIRELLES | BRASÍLIA

Atenção, contribuinte. Se você é um dos 334.388 mil brasileiros que caíram na malha fina no Imposto de Renda 2020, ano-calendário 2019, esta é sua última chance de regularizar seu cadastro de forma por conta própria e, com isso, evitar ser fiscalizado de perto pelo Fisco. Nesta quinta-feira (29/10), a Receita Federal começou a enviar cartas a esses contribuintes para informá-los que caíram na temida malha fina – quando seu cadastro passa a ser verificado rigorosamente por auditores fiscais, que passam a procurar se há alguma inconsistência entre a informação prestada ao Leão e aquela que você consegue comprovar.

Até domingo (01/11), os contribuintes que ainda não receberam a correspondência poderão fazer a autorregularização do cadastro. Depois desse prazo, porém, o contribuinte poderá ser intimado formalmente para explicar a incompatibilidade das informações prestadas ao Fisco.

Quem já recebeu a intimação e não corrigiu as informações a tempo poderá ficar sujeito a multas que podem chegar a 75% do imposto devido e não foi pago, ou que tenha sido pago a menor.

Para normalizar o status, basta consultar as informações que estão disponíveis no site da Receita Federal, sem que seja necessário comparecer à uma agência.

O Fisco também recomenda que todos que declaram renda consultem regularmente os extratos processados. Não há necessidade de esperar por qualquer comunicação formal para negociar. Dentro de 24 horas após o envio do formulário, a declaração fornece informações sobre o processamento.

Malha Fina

O contribuinte pode ir para a malha fina por três motivos principais, como: erro no preenchimento de informações; omissão de dados financeiros; e contradição nas informações prestadas pelo contribuinte e pelas empresas em que ele apresentou recibos. Além de perder os reembolsos requeridos, as pessoas que se encontram nessa situação podem ter o CPF cancelado, caso a Receita encontre divergências não solucionadas no cadastro. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.